Património

A Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, dotada de um património histórico que nos traz o Passado para o Presente inaugurando o Futuro, integra nos seus espaços a memória coletiva daqueles que a frequentaram e trabalharam, dela fazendo uma Instituição de Ensino Superior de excelência.

Numa Escola fundada há mais de um século, o património é uma herança viva, representativa do seu passado, dos seus professores, alunos e funcionários, mas também dos projetos de futuro da Instituição – um legado que encerra em si traços temporais de uma Faculdade que resiste ao passar dos anos com uma consciência crítica e comprometimento com a inovação, para um ensino que honre a sua identidade institucional.

Na Faculdade estão várias obras de arte e de símbolos estéticos da Justiça e do ensino jurídico, em diálogo com o ensino e a vida do Direito.

Exemplo emblemático das origens históricas e filosóficas do Direito é o pórtico de entrada da Faculdade, cujas figuras mais representativas, da autoria de Almada Negreiros, nos convidam a uma viagem histórica:



Detentora de vários painéis cerâmicos, destacamos o que representa a Fundação do Estudo Geral em 1290, situado ao fundo dos Passos Perdidos (no hall principal) da Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, datado de 1957, do pintor Lino António. Destacando as raízes medievais da Universidade de Lisboa, na figura do painel, D. Dinis segura o documento, ato este a que assistem o clero, a nobreza e cavaleiros, que haviam solicitado a criação do Estudo. À direita uma aula de Direito, com o Professor na sua cátedra, perante os seus alunos. Os dois painéis estão divididos por uma espada e uma balança, símbolos de justiça.


A Faculdade de Direito possui também uma coleção de retratos dos seus professores, jubilados e catedráticos, numa homenagem aos que marcaram pelo Ensino esta Instituição.

Trata-se de um conjunto bastante heterogéneo em termos de expressão plástica, incluindo obras de artistas como João Abel Manta, Maluda, Luís Pinto Coelho, Maria de Lourdes Mello e Castro, Luís Guimarães, Pedro Leitão, Sónia Donário, entre outros.

Completam este conjunto três trípticos recentes, representando coletivamente vários professores, executados pelo Mestre Luís Guimarães.

X