Entrevista com a Senhora Professora Doutora Paula Vaz Freire sobre a ampliação da Biblioteca

Em que consiste o projeto? Quais os próximos passos e quais as etapas mais significativas?

A ampliação da Biblioteca irá corresponder a uma duplicação da área total atualmente ocupada. Concretiza-se na construção de um novo edifício, a sul, junto à Rua Prof. António Flores, bem como em obras de ligação com a estrutura atual e de beneficiação do edifício existente. Trata-se, assim, de uma ampliação da área útil da Biblioteca em cerca de 2.130m2, distribuídos, no essencial, por dois setores funcionais: leitura/ consulta e depósito/ armazenamento.

Como é sabido, a intenção de realizar esta obra já vem de longe e tem sido um objetivo mantido por sucessivas equipas diretivas. A atual Direção empenhou-se, de forma particular, na sua concretização o que implicou a contratação de uma empresa da especialidade para realizar o estudo comparativo entre duas soluções de projeto que haviam sido apresentadas à Faculdade; a opção por uma delas, ponderadas as respetivas vantagens técnicas e financeiras; a atualização de alguns projetos de especialidade (p.ex. AVAC), adequando-os a soluções mais modernas e eficientes; a posterior verificação de medições e a revisão de valores de construção, para servir de base ao valor do procedimento concursal; e o pedido de apreciação e autorização pela Direção Geral do Ensino Superior e pelo Senhor Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. Em todo este processo a Faculdade contou com o inestimável apoio prestado do Senhor Reitor, Prof. Doutor António Cruz Serra, bem como com a colaboração dos serviços da Reitoria. Estão agora a ser preparados os concursos públicos internacionais para execução e fiscalização da obra, os quais pressupõem a observância de um conjunto de fases e prazos legais, e que se estima poderem estar concluídos em dezembro. Subsequentemente a esta etapa a proposta de contratação deve ser submetida ao visto do Tribunal de Contas, após o que pode ser dado início à empreitada. Gostaríamos de estar em condições de o fazer em fevereiro de 2019.

Quais as vantagens para a comunidade académica e científica desta obra? Qual o impacto esperado?

Se em muitas faculdades a relevância e centralidade das bibliotecas se tem vindo a perder, a FDUL contraria essa tendência. De facto, a nossa biblioteca é um espaço de estudo privilegiado pelos alunos verificando-se, frequentemente, uma afluência de estudantes em número superior aos lugares disponíveis; são igualmente muito procurados os pequenos gabinetes existentes, designadamente, por investigadores, pós-doutorandos e estudantes estrangeiros. Para além disso é também um espaço aberto aos profissionais do Direito, desempenhando uma relevante função de serviço público à comunidade jurídica.

As obras em perspetiva permitirão acrescer 200 lugares aos 250 postos de leitura existentes, e criar mais 6 gabinetes individuais para investigação. Acresce ainda uma nova sala de informática que contará com 32 lugares.

Em suma, o novo espaço vai permitir melhores condições de acesso ao acervo bibliográfico e melhorar o conforto dos utilizadores, sem esquecer a sustentabilidade e eficiência do edifício.

Quanto irá custar esta obra à FDUL?

A obra terá um custo de aproximadamente 3.7 milhões de euros, devendo evidenciar-se que a Faculdade recorre a receitas próprias transitadas, isto é, a saldos acumulados, para financiar, em exclusivo, esta despesa.

De que forma será afetado o funcionamento da biblioteca, quando se der inicio à obra?

Naturalmente que uma obra desta dimensão não pode deixar de ter algum impacto no normal funcionamento da Faculdade mas será sempre nossa preocupação minimizar os efeitos negativos a ela associados. A realização da obra decorrerá, durante a maior parte do tempo, sem inviabilizar a utilização da Biblioteca nos atuais moldes porquanto consistirá na construção de um novo edifício autonomizado do espaço existente. Apenas as obras de ligação entre os dois edifícios provocarão maiores constrangimentos mas cremos que a Biblioteca não terá de encerrar, totalmente, mesmo durante essa fase.

A correr tudo dentro dos prazo, quando é esperado que a comunidade académica e científica possam vir a usufruir do novo espaço?

A obra tem uma duração estimada de 18 meses, pelo que, a iniciar-se em fevereiro de 2019, estará, desejavelmente, terminada no início do ano letivo de 2020 / 2021.

X